Colóquio “Um lugar à mesa real”

O dia começou com o sol tímido e uma chuva que teimava em aparecer. Hoje, fomos assistir no Palácio Nacional de Queluz ao Colóquio “Um lugar à mesa real”, promovido no âmbito do Projeto “A place at the royal table” – ARRE, Association des Résidences Royales Européennes – Ano Europeu a Cultura, 2018.


Assistimos a uma viagem pela história, onde foram abordados temas ligados ao aparecimento de novos alimentos e a sua introdução nos hábitos da corte, bem como os novos objetos e o protocolo da mesa. 

No período da manhã, numa primeira intervenção houve uma resanha sobre os novos alimentos e consequente novos sabores trazidos para a corte no período compreendido entre o séc. XV e o séc. XIX. A importância da introdução do açúcar, da laranja, das especiarias, só para dar alguns exemplos.

Continuámos a nossa viagem no tempo, num tema mais doce, mas igualmente fascinante, a introdução do chocolate, na corte e na aristocracia. Um alimento novo, que exigia a utilização de novos utensílios, a chocolateira e as chávenas, do serviço de D. Pedro III, expostas na mesa da Sala das Merendas, do Palácio. 

Antes do intervalo, tivemos oportunidade de ouvir a intervenção do Diretor Técnico para o Património Natural – Parques de Sintra, sobre o Jardim Botânico, que explicou como foi reconstruído este Jardim, bem como a recolha e replantação das espécies, devidamente catalogadas pelo médico da Rainha Maria I, que facilitou este complexo trabalho. De seguida, fomos convidados a visitar o Jardim Botânico, tendo por isso oportunidade de observar o excelente trabalho de reconstrução. 

Sala das Merendas

O período da tarde, teve início com a visita à Sala das Merendas e à Sala de Jantar do Palácio, onde estão expostas magníficas peças dos serviços do Rei D. Pedro III e da Rainha Carlota Joaquina, respectivamente. A primeira intervenção da tarde, fez uma abordagem sobre “A evolução dos hábitos da mesa nos séc. XVIII e XIX”, mencionando os novos alimentos, a sua apresentação, o tipo de serviço e utensílios utilizados.

A tarde continuou, com duas intervenções mais dedicadas à Real Quinta de Queluz e a uma das suas ilustres habitantes, a Rainha Carlota Joaquina. Na época, da Rainha Carlota Joaquina, houve alterações na decoração das mesas, nos tipos de servicos, nunca descurando o efeito cénico, uma vez que a mesa continuava a ser uma imagem do poder. A última intervenção abordou o tipo de alimentos que chegavam à Real Quinta de Queluz, numa lista que não só era extensa como variada, desde carnes de vários tipos, frutas diversas, diferentes tipos de açúcar, queijos, chocolate, batatas, etc. 

Sala de Jantar

Terminámos o Colóquio numa degustação de chocolate, com  vista para o magnífico jardim do Palácio. Conseguimos imaginar  as damas da corte, por aqui, a passear, enquanto a azáfama da preparação das refeições da corte, decorria nas cozinhas do Palácio. 

Este Colóquio, teve uma abordagem diferente do protocolo e etiqueta da corte, mas não menos interessante. Foi um dia muito rico em detalhes da mesa da corte e do qual fizemos um breve resumo. 

No caso de querer aprofundar estas temáticas, aconselhamos a consulta dos sites do Palácio Nacional da Ajuda, Palácio Nacional de Queluz  e no blog Garfadas on line.

Até breve!

Deixar uma resposta